Jurisprudências

PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. VIÚVA DE MILITAR. PENSÃO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO DE PARCELAS RELATIVAS À COTA-PARTE DA COMPANHEIRA. NULIDADE DA SENTENÇA. NÃO OCORRÊNCIA. OBSERVÂNCIA AOS ARTS. 128 E 460 DO CPC. PRESCRIÇÃO DO FUNDO DE DIREITO. NÃO CONFIGURA

PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. VIÚVA DE MILITAR. PENSÃO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO DE PARCELAS RELATIVAS À COTA-PARTE DA COMPANHEIRA. NULIDADE DA SENTENÇA. NÃO OCORRÊNCIA. OBSERVÂNCIA AOS ARTS. 128 E 460 DO CPC. PRESCRIÇÃO DO FUNDO DE DIREITO. NÃO CONFIGURAÇÃO. AÇÃO AJUIZADA DENTRO DO PRAZO DE 05 (CINCO) ANOS. I. Não é nula a sentença que decide a lide nos limites em que foi proposta e condena o réu em quantidade igual à que foi pedida. Ii. A prescrição do fundo de direito ocorre quando, negado o pedido na via administrativa, a propositura da ação judicial é feita após o prazo de 05 (cinco) anos. Dever de restituição por parte da viúva. Não obrigatoriedade. Caso excepcional. Pedido da companheira negado na via administrativa. Manutenção do pagamento integral à viúva por opção da administração. Questão judicializada pela companheira. Art. 940 do cc/2002. Inaplicabilidade. Relação de direito público. Descontos indevidos. Obrigação de devolução pela administração. Iii. Não obstante o entendimento deste relator no sentido de que servidores (ativos e inativos) e pensionistas têm o dever de devolver à administração pública quantia recebida indevidamente, ainda que de boa-fé, pois o vínculo jurídico entre a administração e aqueles não é meramente contratual, mas, sobretudo, legal e institucional, não sendo o recebimento de boa-fé nem a natureza alimentar dos estipêndios suficientes para legitimar o locupletamento ilegal em detrimento dos cofres públicos, casos especiais excepcionais. Iv. No caso sob exame, a união indeferiu o pedido de concessão da pensão feito pela companheira, optando por pagar o benefício integralmente à viúva, assumindo, assim, o risco do pagamento indevido e de, futuramente, ter que pagar à companheira as parcelas atrasadas desde o requerimento administrativo. Além disso, a partir do momento em que a companheira judicializou a questão, tendo o 1º juizado especial federal de são gonçalo julgado procedente seu pedido, condenando a união a lhe conceder a pensão e a lhe pagar os atrasados desde a data do requerimento administrativo, a viúva não pode ser obrigada a repor, por força de decisão administrativa, o que recebeu no lugar da companheira, mas somente em razão de decisão, naquela ação ajuizada pela companheira, ressalvando o direito da união de cobrar tais verbas da viúva. Sentença mantida nesse ponto, mas por outro fundamento. V. O pedido para que a restitua à pensionista, em dobro, os valores descontados de seu contracheque indevidamente não tem fundamento no art. 940 do cc/2002, pois este visa a coibir a do credor, aplicando-se às obrigações de natureza civil e caráter negocial, enquanto a situação dos autos envolve relação de direito público. Ademais, ainda que assim não fosse, a determinação para pagamento em dobro do que o credor houver cobrado do devedor refere-se à primeira hipótese do dispositivo, na qual o credor demandou “por dívida paga, no todo ou em parte, sem ressalvar as quantias recebidas”, o que não é o caso dos autos, que a união não cobrou dívida paga pela autora. Sentença reformada nessa parte, para excluir a condenação da união à devolução em dobro. Vi. Contudo, tratando-se de descontos indevidos em folha, a união tem o dever de restituí-los à autora, com juros e correção monetária. Juros de mora. Termo inicial. Ausência de interesse de recorrer. Art. 1º-f, da lei nº 9.494/97 e lei nº 11.960/2009. Correção monetária sobre cada parcela. Termo inicial. Data do respectivo desconto. Súmula nº 43 do stj. Vii. Na sentença vergastada, o mm. Juízo a quo determinou que os juros de mora devem ser calculados a partir da data da juntada da certidão positiva de citação e intimação da união federal, enquanto a união, em suas razões de apelação, alega que são devidos desde a citação. Nesse ponto específico, verifico que a apelante não possui interesse de recorrer, por não haver utilidade no pedido da recorrente. Viii. A aplicação de juros moratórios, em se tratando de condenação imposta contra a fazenda pública, de se obedecer aos ditames do art. 1º-f, da lei nº 9.494/97 (6% (seis por cento) ao ano), com a redação dada pela medida provisória nº 2.180-35/2001 e, posteriormente, a partir da vigência da lei nº 11.960, de 29/06/2009, que alterara a redação ao aludido dispositivo, à nova regra estipulada (juros aplicados à caderneta de poupança). Precedente: eresp nº 1207197, corte especial, stj, in dje de 02/08/2011. Ix. A correção monetária deve incidir sobre cada parcela a partir da data em que foi indevidamente descontada, nos termos da Súmula nº 43 do eg. Stj, e não da data da citação. X. Apelação e remessa necessária parcialmente providas, para reformar em parte a sentença, determinando que a união devolva à autora apenas o que descontou indevidamente, com juros de 6% (seis por cento) ao ano e, a partir da vigência da lei nº 11.960/2009, juros da caderneta de poupança, e correção monetária incidindo a contar de cada parcela devida, mantido o dispositivo da sentença na parte em que anulou o ato administrativo que instituiu os descontos a título de reposição ao erário. (TRF 2ª R.; AC 0023772-13.2006.4.02.5101; Oitava Turma Especializada; Rel. Des. Fed. Sergio Schwaitzer; DEJF 11/07/2012; Pág. 254)
    
 

  • 1) A partir da interpretação sistemática da constituição, no recurso extraordinário 182.811/MG, de relatoria do ilustre ministro gilmar Mendes, restou assegurado aos profissionais da saúde, no âmbito militar e civil do serviço público, a... Leia mais..
  • 1. Consumidor que recebeu via correios cartão de crédito administrado pela instituição financeira reclamada sem sua autorização. Cancelamento realizado administrativamente, via procon. Posterior inscrição de seu nome em órgão restritivo de... Leia mais..
  • 1. Alegação do cliente de que se deparou com desconto desconhecido em sua conta bancária. Instituição bancária que sustenta a celebração do pactuado entre as partes, tendo agido no seu exercício regular de direito. Inversão do ônus da... Leia mais..
  • 1. Recurso que se resume no requerimento de exclusão de multa cominada na sentença em caso de descumprimento. Leia mais..
  • É devido o pagamento de auxílio-saúde ao servidor que comprova a contratação de plano de saúde privado a seu dependente, nos termos do art. 30-a, da LC estadual nº 105/2022. Leia mais..
  • 1. O acórdão embargado deixou de apreciar a questão relativa à necessidade de individualização do FAP por estabelecimento, questão que foi objeto da contraminuta de fls. 301/318 e dos embargos de declaração de fls. 344/345. Evidenciada,... Leia mais..
© Diligência.com.br
competente, confirma , sentença, indenizar, indenização, turma, mandado de segurança, recorreu da sentença, Conselho Regional, Colegiado, desocupação , Defensoria Pública da União, DPU, Ministério Público Federal , MPF, Advocacia-Geral da União , AGU, Caixa Econômica Federal , CEF, Departamento Nacional de Infraestrutura , DNIT, Departamento de Estradas e Rodagem , DER, DNER, PFE, Data do julgamento, Publicação no diário oficial , Servidores públicos , aquisição de estabilidade, condenação, condena, condenado, recorrente , recorrido, constituição federal, aposentadoria por invalidez, AIDS, portador, cardiopatia, imposto de renda, IR, Fazenda Nacional , apelante, princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, união , agravo de instrumento, adicional de férias, polo passivo, interesse processual , processamento e julgamento, pensões e aposentadorias, pensão, aposentadoria, competência, demandante, descumprimento da obrigação, sentença penal , unânime, provimento, aposentadoria especial, tempo de serviço, tempo de contribuição, julgou procedente, autarquia , Instituto Nacional do Seguro Social , INSS, CTPS, impetrante, ajuizamento da ação, serviço especial , ANP